New Document
  + ORDENAÇÃO HERÁLDICA

+ Clique para ampliar
Brasão: escudo de prata, pinheiro bravo arrancado de sua cor; em chefe, à dextra, uma espiga de milho de ouro, folhada de verde e, à sinistra, cacho de uvas de púrpura, folhado de verde; em campanha, meia roda dentada de azul. Coroa mural de prata de três torres. Listel branco, com a legenda a negro, em maiúsculas: "MURTEDE".
 
Bandeira: azul. Cordão e borlas de prata e azul. Haste e lança de ouro.
 
Selo: nos termos da Lei, com a legenda: "Junta de Freguesia de Murtede - Cantanhede".
 
Memória descritiva e justificativa:
·        O pinheiro bravo representa o pinhal que tanto abunda na região e que rodeia a freguesia por todos os lados;
·        A meia roda de moinho dentada simboliza a zona industrial da freguesia, onde se situa uma das fábricas mais modernas e melhor apetrechadas do país e, simultaneamente, lembra os velhos moinhos e azenhas, hoje quase esquecidos, mas que foram fonte de riqueza e prosperidade da freguesia;
·        A espiga de milho e o cacho de uvas representam as principais atividades da população rural;
·        A coroa mural de três torres evidencia uma aldeia com o estatuto de sede de freguesia;
·        A prata lembra a prudência, a força, a amizade, a inocência e a fidelidade;
·        O azul simboliza a justiça, a formosura, a perseverança e o zelo.
 
Documentos Oficiais:
Parecer emitido a 12 de Agosto de 1996.
D.R.: Nº 299 de 27 de Dezembro de 1996.
DGAL: Nº 63/97 de 25 de Março de 1997.





pedro alexandre amaro jesus
É com todo\r\no respeito que aqui vos exponho a minha critica referente  á \r\nSinalização e intervenções, Murtede  em especial na Rua da Portela,  junto ao campo de futebol , onde  foi implementado um espelho , que a meu ver,\r\nveio reforçar sim a segurança dos condutores que ao fim de terem  uma “estrada nova” passão  a uma velocidade excessiva por esta mesma\r\nrua. \r\n\r\nConsiderando\r\no risco condutor/moradores , a meu ver, seria preferível uma lomba, visto que a\r\nestrada é aliciante para quem gosta de “meter o pé no acelerador” e se esquece\r\nque existem pessoas das quais crianças, que residem nesse mesmo lugar. Com os\r\nmelhores cumprimentos Pedro Jesus.


Maria Celeste Fernandes Cordeiro Silva
Tudo o que me remete para a minha naturalidade é sempre acolhido com grande entusiasmo pelo que fico contente por existir este espaço.\r\nQuero notar que a emigração não aparece evidenciada e penso que teve um grande impacto na economia local.\r\noutros dos aspetos que penso deve ser reforçado é a propria natureza.\r\npor fim a linha, já extinta, de comboio que penso ter sido também ao longo das décadas um importante meio de deslocação quer em direção a Coimbra - capital de distrito quer em direção á Figueira da Foz.\r\n \r\nJá me estava a esquecer....sempre que queriam gozar comigo quando era mais jovem referiam o fato de ser da "terra da ciência", os colegas de Sepins é que tinham muito essa mania. Questiono-me se essa ideia não é mais antiga do que o que pode transparecer (achava que estava relacionado com o inicio do séc. XX e a frequência da universidade por vários habitantes da freguesia) mas se nos remetermos para os dados históricos (já fomos dependentes de Sepins) talvez esta picardia seja mais antiga.\r\n \r\nSinto muitas saudades da minha terra! Um abraço a todos



 
O seu nome :   
Do amigo :   
O seu email :   
Do amigo :   
 
Email:
 
48744 visitas até o momento.